domingo, 31 de maio de 2015

PLANALTO IGNORA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO PARA PROTEGER ROSE



Amiga íntima de LULA, foi chefe de gabinete dele e hoje 
é processada por tráfico de influência, corrupção passiva e 
formação de quadrilha. (Foto: Fernando Cavalcanti/Veja)
Governo esconde gastos com cartão corporativo de rose, do Lula

O Planalto optou por ofender a Lei de Acesso à Informação, que Dilma sancionou, para esconder o relatório de gastos do cartão corporativo utilizado pela ex-chefe do escritório da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Noronha, amiga íntima de Lula. Após 45 dias enrolando, o Planalto alegou ontem, em resumo, que a farra de gastos de Rosemary virou caso de “segurança da sociedade e do Estado”.

Rosemary foi alvo da operação Porto Seguro, da Polícia Federal, e denunciada pelo Ministério Público por improbidade administrativa.

Acusada de tráfico de influência, corrupção passiva e formação de quadrilha, Rose ficou conhecida como “facilitadora-geral da República”.

Quase sempre presente em viagens internacionais nas ausências de d. Marisa, Rose Noronha até fez indicações para cargos importantes.


Mesmo sob a Lei de Acesso à Informação, o Planalto não mostrou valores, datas, locais e transações de Rose com cartão corporativo.

UM SHOPPING NO CONGRESSO NACIONAL?


Tentativa de blindar Gleisi Hoffmann gera suspeitas no Ministério Público Federal em Curitiba e Brasília


(Estadão)Pela culatra – Procuradores de Brasília e de Curitiba, que atuam na Operação Lava-Jato, estão atentos, com radares acionados, para as ameaças feitas por três advogados proeminentes da capital paranaense em um esforço desesperado para supostamente blindar a senadora Gleisi Helena Hoffmann. A informação é de que tudo está sendo feito para evitar o depoimento do “homem” que entregou o dinheiro da propina enviado pelo doleiro Alberto Youssef a Curitiba. O homem em questão seria o empresário dono de um shopping popular da cidade.

Como se sabe, a remessa foi feita a pedido de Alberto Youssef, que agiu a mando de Paulo Roberto Costa, para atender um pedido do então ministro Paulo Bernardo da Silva, marido de Gleisi. Tudo isso já está documentado no processo. Falta ouvir o empresário e é nesse sentido que estão sendo feitos manobras pesadas nos bastidores. A questão pode atingir diretamente a OAB do Paraná, já que alguns desses advogados ocupam cargos de destaque dentro da instituição. Porém, a investida dos três causídicos não deu resultado. E há desdobramentos que chegam à Brasília.

Declarações do doleiro Alberto Youssef, em depoimento prestado à Polícia Federal, em Curitiba, detalham o suposto pagamento de dinheiro desviado do esquema de corrupção na Petrobras para a campanha da senadora Gleisi Hoffman, em 2010. O pedido de ajuda financeira, segundo o doleiro, partiu do marido da senadora e foi pago ao tal empresário de Curitiba “em três ou quatro operações”.

Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, confirmam o pagamento para Gleisi, mas entram em contradição sobre o ponto de partida do pedido. Youssef disse que Costa contou a ele sobre a solicitação de Paulo Bernardo antes de ordenar a entrega do dinheiro. Já o ex-diretor, em depoimento, afirmou que soube pelo doleiro que o ex-ministro queria recursos para a campanha da mulher e autorizou o repasse. Na agenda de Costa há o registro de um pagamento com as iniciais “PB”, referentes ao marido da senadora, segundo ele.

Alberto Youssef disse que repassou que terceirizou a tarefa de entregar o dinheiro a Gleisi. Afirmou, ao jornal “O Globo”, entretanto, que para definir como seria repassado o dinheiro recebeu, “uma ou duas vezes”, em 2010, em seu escritório em São Paulo, o interlocutor de Gleisi. Depois de descrevê-lo como um “senhor com aproximadamente 48 a 55 anos, (que) não era alto, pessoa clara, pele branca, cabelo baixo”, foi confrontado pelos investigadores com uma foto do dono do tal shopping popular, reconhecido imediatamente pelo delator ao se deparar com fotografias apresentadas pelos policiais.


“O declarante confirma, sem sombra de dúvidas e com 100% de certeza, gue se trata da pessoa que esteve em seu escritório e para a qual foram entregues os valores de Paulo Bernardo e Gleisi Hoffman”, destaca a transcrição do depoimento de Youssef. Ele diz que o empresário se apresentou como alguém “próximo de Gleisi Hoffman e Paulo Bernardo”, que “conhecia muitos políticos em Curitiba” e que “deu a entender que era uma espécie de coordenador de campanha (de Gleisi ao Senado)”.

A sociedade feminina

Por Luiz Carlos Prates


Fonte: YouTube/SBT

sábado, 30 de maio de 2015

Conexão mineira: novo operador do PT na cadeia



Mais um operador do PT foi preso hoje pela Polícia Federal. Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, manteve R$ 525 milhões em contratos suspeitos com o governo federal. Até um antigo apartamento da mulher do governador de Minas Gerais Fernando Pimentel foi alvo da operação. Na Fifa, mesmo com um escândalo de proporções gigantescas batendo à porta, Blatter é reeleito sem surpresas. Acompanhe as principais notícias desta noite com Joice Hasselmann e a equipe de VEJA.

Se a Justiça brasileira sabia do escândalo da FIFA, por que não agiu?

Por Marco Antonio Villa


Marco Antonio Villa reflete novamente acerca do escândalo de corrupção envolvendo grandes figurões da Fifa. Para o historiador, a intervenção da justiça americana é um tapa na cara do Executivo brasileiro.

Ódio a Cunha é ódio à DEMOCRACIA

Por Reinaldo Azevedo


Como Eike Batista virou um empresário do PT

Por Malu Gaspar


A jornalista Malu Gaspar, da VEJA, autora do primoroso livro best seller "Tudo ou nada - Eike Batista e a verdadeira história do grupo X", contou no Fashion Mondays de 18 de maio como ele virou um empresário do PT.

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Lula é quem sabota Dilma ?

Por Reinaldo Azevedo


Para senador, Brasil compactua com violações de direitos humanos na América do Sul



Ricardo Ferraço, senador do PMDB e ex-presidente da Comissão de Relações Exteriores, afirma que o país fecha os olhos para as atrocidades cometidas por governos bolivarianos. Na segunda parte da entrevista a Joice Hasselmann, Ferraço enumera ainda os desgastes sofridos pelo Ministério das Relações Exteriores ao dizer que o Itamaraty nunca teve tão pouco prestígio como no governo Dilma.

Corrupção na FIFA: "Ladrão tem que ir para cadeia."




Senador Romário comemora prisão de Marin e ataca Del Nero: "safado, ladrão e ordinário"

Opositor declarado dos gestores da CBF, o senador Romário comemorou nesta quarta-feira (27) a prisão do ex-presidente da entidade máxima do futebol brasileiro, José Maria Marin, na Suíça. Romário declarou nesta manhã que "lugar de ladrão é na cadeia" e afirmou que Marin é um "dos maiores corruptos do futebol".

"Muitos corruptos e ladrões foram presos na Suíça, inclusive um dos maiores: José Maria Marin", disse Romário, em audiência pública no Senado. "Quero parabenizar o FBI. Essa prisão é o início de um grande futuro para o futebol."

Romário declarou que espera que as investigações atinjam também o presidente da Fifa, Joseph Blatter, e mude inclusive os rumos da eleição para a presidência da entidade, marcada para sexta-feira. Afirmou ainda que as investigações também precisam avançar sobre o atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, o qual Romário chamou de ladrão, safado e ordinário.

"Espero que a investigação que repercuta definitivamente limpar o futebol desses corruptos, como Marco Polo del Nero", disse ele. "A situação do futebol brasileiro é culpa dessas pessoas, que não estão nem um pouco interessadas em ajudar. Só pensam no dinheiro."

Del Nero, até agora, não foi citado na investigação que resultado na detenção de Marin. O ex-presidente da CBF foi preso em um hotel cinco estrelas de Zurique, junto com outros seis dirigentes ligados à Fifa.

Governo comete crime contra trabalhadores com a MP 665



O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), declarou há pouco que o governo cometeu um crime contra os trabalhadores brasileiros com a aprovação da Medida Provisória 665. Na opinião de Caiado, o governo oficializou a fraude eleitoral com a proposição que desmonta todo o discurso que sustentou a campanha da presidente Dilma Rousseff. Por margem apertada, 39 votos favoráveis a 32 contra, o plenário do Senado aprovou a MP que restringe o acesso ao seguro-desemprego, abono salarial e seguro-defeso.

Não foi dessa vez que Marta perdeu seu mandato

Por Reinaldo Azevedo


ESCULACHO À JOSÉ MARIA MARIN


quinta-feira, 28 de maio de 2015

PT decidiu pedir o mandato de Marta

Por Reinaldo Azevedo


Impeachment é momento, igual no futebol



No dia em que mais um escândalo de corrupção é revelado, desta vez envolvendo dirigentes da FIFA, integrantes do Movimento Brasil Livre entregam pedido de impeachment de Dilma Rousseff ao Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. Acompanhe esta e outras notícias de política e economia no 'Giro Veja', especial com o colunista de VEJA Marco Antonio Villa, Joice Hasselmann e a equipe.

TERRORISMO

Por Rachel Sheherazade


Saiba por que eu sou a favor do voto proporcional e do financiamento público


quarta-feira, 27 de maio de 2015

Dilma, se beber tequila não dê entrevista

Por Joice Hasselmann e Reinaldo Azevedo


Dilma tenta administrar sua fonte de credibilidade

Por Reinaldo Azevedo


Reforma Política: ninguém sabe que bicho vai dar



A votação da PEC da Reforma Política na Câmara dos Deputados se mostra um 'monstrengo político' indecifrável. Enquanto isso, o Senado discute as medidas do Ajuste Fiscal. Os colunistas de VEJA Augusto Nunes e Joice Hasselmann analisam as votações que tramitam no Congresso e também o discurso de presidente Dilma Rousseff durante entrevista no México.

Lava Jato algema impunidade



As decisões do Juiz Sérgio Moro mostram que a corrupção começa a ser punida ao invés de premiada no Brasil. É uma mudança e das grandes. Quem não tem foro privilegiado está encrencado. Hoje, Nestor Cerveró foi condenado. Ex-todo-poderosos saíram das rodas mais badaladas do país direto para cadeia. É uma luz no fim do túnel. Quem disse que tudo precisa acabar em pizza?

terça-feira, 26 de maio de 2015

PT se opõe a governo petista: circo ou hospício?



Levy e Temer abrem mais uma rodada de negociações com o congresso para aprovar o ajuste, sem criar novas bombas. Mas, o partido da presidente trabalha contra o governo da presidente, que por sua vez quer que a nação pague a conta do ajuste, mas claro sem abrir mão do latifúndio ministerial. Como assim cara pálida?

Aloysio Nunes explica PSDB optar por ação penal, não impeachment


Paulo Maluf sobre o Petrolão: 'Quem rouba tem que ir para a cadeia'



Deputado federal por São Paulo, Paulo Maluf é um dos poucos políticos brasileiros vivos que dá nome a uma linha de pensamento político: o malufismo. Aos 83 anos, acostumou-se a ver seu nome envolvido em escândalos, que ele nega todos. Está, desde 2010, na lista de procurados pela Interpol. Em uma conversa franca com Joice Hasselmann, ele defende o governo Dilma e diz que "se Aécio fosse eleito não teria condição de governar com o país assim".

SAMBA da Presidente DOIDA

Por Reinaldo Azevedo


A legalização do ABORTO





A questão do aborto é um tema polêmico no Brasil. A Organização Mundial da Saúde calcula que mais de um milhão de mulheres fazem abortos voluntários no país todos os anos. A partir de sugestões recebidas pelo portal e-Cidadania do Senado Federal, a Comissão de Direitos Humanos promoveu um debate envolvendo sociedade e especialistas para discutir a interrupção voluntária da gravidez, pelo SUS, até a décima segunda semana de gestação.

Dilma se preocupa mais com risco de saída de Levy e menos com a chance de sofrer impeachment

 
Joaquim Levy está "costeando o alambrado". Brizolista eterna, Dilma Rousseff sabe muito bem o que significa a expressão sempre usada pelo gaúcho Leonel Brizola para antecipar o movimento de alguém que estava prestes a traí-lo ou pronto para abandonar seu curral. Como o ministro da Fazenda não é do rebanho da Presidenta, Dilma já teme que, se o Congresso avacalhar com seu levyano arrocho fiscal, o bicho vai pegar e Levy pedirá para sair. Dilma teme mais o abandono de Levy que a ameaça de impeachment.

Joaquim Levy vende a imagem de que é um ente independente no desgoverno do PT-PMDB. Seu mais recente gesto simbólico de que agiria conforme vontade própria - coisa nada fácil de acreditar - foi a desculpa esfarrapada dada para não aparecer no anúncio das antipáticas medidas de corte no orçamento, sexta-feira passada. Levy jogou para que sua ausência fosse interpretada, pelos políticos, como um recadinho de que estaria insatisfeito e que, se suas medidas forem sabotadas ou recusadas pelos parlamentares, deixará o ministério.

Tão temerosos quanto Dilma estão os líderes do governo e da oposição (de mentirinha) no Congresso. Qualquer bebê de colo sabe que, se Levy sair ou seu plano der muito errado (o que tem grandes possibilidades de acontecer), quem corre risco de ser pressionada a renunciar é Dilma Rousseff. Para a classe política, este é o pior cenário possível. Se Dilma for forçada a deixar o Palácio do Planalto, não se sabe, com certeza e segurança, o que pode acontecer do ponto de vista institucional. O impasse se agrava na medida em que a crise econômica gera mais insatisfação popular contra Dilma e seu desgoverno.

A tendência da História é bem clara. Crise econômica costuma derrubar governos de forma mais acachapante que golpes políticos ou militares. A maioria da sociedade brasileira já perdeu a paciência com Dilma, Lula, PT e companhia há muito tempo. O medo concreto da politicagem é que alguém acenda o barril de pólvora. Pode nem acontecer explosão. Mas a imprevisibilidade das consequências não interessa aos detentores do poder. Na visão deles, o melhor negócio é deixar tudo como está, com Dilma acuada até o limite máximo.

Saber até onde vai esse limite é o maior desafio da conjuntura brasileira atual. Literalmente, o Brasil está mais perdido que cego em meio de facada... 

Trem ruim, sô!


Releia o artigo: A Imbecilidade Artificial no Brasil

Malafaia detonando Lula


Este vídeo não tem preço... Pastor Silas Malafaia arrasa com Lula...

Corrupção Nunca mais

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Acidente de carro fere Kim Kataguiri e outra manifestante da Marcha Pela Liberdade contra Dilma Rousseff


ACidenteUm acidente de carro na noite deste sábado (23) feriu Kim Kataguiri e uma manifestante chamada Amanda, que participavam da Marcha Pela Liberdade contra Dilma Rousseff próximo à cidade de Alexânia (GO), a 120 km de Goiânia, caminhando pelo acostamento da estrada.

Um carro colidiu na traseira de outro veículo, que atingiu os dois.

Kim, um dos líderes do Movimento Brasil Livre, ficou ferido no braço. Amanda foi arremessada contra um dos veículos que davam apoio à marcha no acostamento e bateu a cabeça. Ela estava consciente quando foi levada para o hospital e está em observação.

O motorista que bateu na traseira do outro veículo, identificado como José Lino, 48, foi preso em flagrante e havia ingerido bebida alcoólica.

Renan Santos, outro líder do MBL, postou o vídeo abaixo no Facebook.

A macumba é forte, mas pinguço nenhum vai impedir essa molecada de exigir o impeachment de Dilma em frente ao Congresso Nacional no dia 27.

Ouviu, Lula?

Apertem os cintos, o crédito sumiu!


Produção de cédulas de notas de 20 reais na Casa da Moeda no Rio de Janeiro
Crédito em queda: aperto nas condições faz brasileiros 
adiarem planos (Marcelo Sayão/EFE/VEJA)
Aperto nas condições de financiamento liderado por bancos estatais dificulta liberação de dinheiro e frustra planos de brasileiros

O administrador fluminense Hugo Rodrigues costumava usar seu cartão de crédito vinculado à seguradora Porto Seguro para compras pessoais e relacionadas ao seu trabalho, já que é vendedor autônomo. Numa das compras que realizou, percebeu que a operação foi cancelada por falta de crédito. No início do mês, sem que tenha havido qualquer mudança em sua renda, a Porto reduziu o limite de Rodrigues de 8.300 para 4.200 reais. "Não me comunicaram previamente. Simplesmente cortaram o limite sem que eu tivesse qualquer restrição de crédito ou deixasse de pagar qualquer fatura", conta.

Assim como Rodrigues, muitos brasileiros têm enfrentado problemas na obtenção de crédito desde que os bancos apertaram as regras, no final do ano passado, temendo o aumento da inadimplência. Em algumas agências, gerentes são autorizados a reduzir o limite dos clientes sem qualquer aviso prévio, se notarem que os gastos estão avançando num ritmo maior do que a renda. O objetivo é limitar o risco de emprestar a possíveis maus pagadores. Contudo, o aperto também respinga naqueles que mantêm as contas em dia.

O coordenador do laboratório de Finanças do Insper, Michael Viriato, explica que o novo cenário reflete o avanço da taxa básica de juros (Selic), atualmente em 13,25%, e a redução do nível de poupança no sistema financeiro. No ano, até abril, a caderneta já "perdeu" 29,08 bilhões de reais, a maior saída de recursos para o período da história, segundo dados do Banco Central (BC). "Não é tanto o ajuste fiscal que afeta o crédito, mas a queda dos recursos que são poupados. Com isso, os bancos começam a puxar as rédeas. Se até a Caixa está restringindo, é natural que as outras instituições sigam o mesmo caminho", afirma Viriato.

Professor Mário de Vivo, de 59 anos
Professor Mário de Vivo, de 59 anos: planos de construir a 
casa própria ficaram para 2016 (Ivan Pacheco/VEJA.com)
Diante da queda dos depósitos na caderneta de poupança, a Caixa Econômica Federal se viu obrigada a reduzir drasticamente o porcentual de financiamento imobiliário para imóveis novos e usados, freando o motor do crédito no país. O aperto ocorre porque esse tipo de crédito é financiado com recursos de poupadores. Agora, o governo estuda alternativas, como o ampliar o limite de financiamento com dinheiro do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Com a mudança anunciada pela Caixa, o banco financiará entre 40% e 50% do valor de imóveis usados, ante o intervalo de 70% a 80%. O impacto é brutal porque o banco estatal responde por 70% do crédito imobiliário no país. Para a compra de imóveis novos, o limite foi cortado de 90% para 80% do valor.

O professor de zoologia Mário de Vivo, de 59 anos, comprou um terreno em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, no ano passado, para realizar o sonho de construir uma casa. O plano, no entanto, terá de ser adiado em pelo menos um ano, devido ao aperto nas condições de concessão de crédito. "A princípio, precisaria entrar com apenas 10% de 330 mil reais. Mas, após a Caixa dobrar esta exigência, levarei ao menos 12 meses para juntar o dinheiro necessário para a entrada", conta. As situações vividas por Vivo e Rodrigues não seriam motivo de preocupação se fossem isoladas. Porém, acontecem em efeito cascata desde o início do ano. "Existia uma realidade de financiamento e eu me pautei por ela. Fui pego de surpresa. Vendi um apartamento para comprar esse terreno e agora vivo de aluguel", afirma o professor.

Para viabilizar novos empréstimos, a Caixa tem complementado o dinheiro disponível da poupança com a captação de recursos via LCI (Letras de Crédito Imobiliário), que pagam 80% do CDI (Certificado de Depósito Interfinanceiro, atualmente em 13,14% ao ano). O problema é que a remuneração desse capital está bastante acima daquela verificada na poupança, que tem pago menos de 8% ao ano. Para compensar essa diferença, a Caixa elevou os juros da habitação duas vezes neste ano.

No caso dos imóveis usados, os proprietários interessados em vender devem encarar um período difícil. Possíveis compradores, como a personal trainer Gabriela Bueno, de São Paulo, moradora da Vila Prudente, desistiram dos planos. "Há mais opções de imóveis usados, mas a compra também é bem mais complicada que a de um novo. Agora, desisti. Não bastasse a redução do crédito, é quase impossível conseguir pagar um financiamento com esses juros sem me enforcar em dívidas abusivas", afirma.

O aperto no crédito, apesar de prejudicar os brasileiros dispostos a comprar a casa própria, deve reequilibrar o mercado imobiliário, segundo o vice-presidente da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), Aquiles Leonardo Diniz. "O forte estímulo dado ao consumo nos últimos anos está sendo revertido. O ajuste é necessário porque é hora de colocar os pés no chão", diz. Segundo ele, outros tipos de crédito, como Crédito Direto da Caixa (CDC) ou voltado a empresas, seguem a mesma lógica. "Quanto mais caro é o preço do dinheiro, menos tomadores haverá. Isso causa uma retração muito forte no mercado de crédito de forma generalizada", diz. A exceção, segundo Diniz, é o consignado, que engloba menos riscos por ter as parcelas descontadas diretamente nos salários dos clientes.

Comprar ou vender - Para quem tem dinheiro na mão, o esfriamento no setor imobiliário pode favorecer quem quer comprar, segundo Léo Rosenbaum, advogado especializado em transações imobiliárias. "Situação de crise costuma ser um bom momento para comprar. Um exemplo disso é que em leilões de bancos há descontos de 30% a 40% em relação há um ano. É uma boa oportunidade e que vale ser considerada", conclui.

Já Viriato, do Insper, recomenda cautela, já que, na sua avaliação o Brasil ainda não chegou 'no fundo poço' e o preços dos imóveis podem cair ainda mais. "O melhor momento para comprar é quando há outras pessoas que queiram vender. Como o cenário deve piorar, com mais desemprego e juros, aparecerá mais pessoas vendendo, o que pode elevar os descontos dados".

Para quem precisa comprar, mas não tem pressa, uma alternativa viável é o consórcio, que submete o comprador a um sorteio e não há cobrança de juros. Nessa modalidade, os próprios participantes se financiam - o banco reúne grupos de interessados que pagam mensalidades acrescidas de taxas de administração, seguro e uma quantia para o fundo reserva de precaução a calotes.


O lado ruim do mercado em declínio é que, com menos dinheiro circulando, o sonho da casa própria, do carro novo ou da viagem de férias, mais do que nunca, permanece sonho.

O ASSASSINO DO MÉDICO CARIOCA É "MENOR INFRATOR"



E vai cumprir medidas sócio-educativas porque isso é, segundo o ECA uma questão de direitos humanos...

Wadih Damous não recebeu votos suficientes para ser eleito. Mas Lula já o colocou no CONGRESSO.


11111wadih 85_9090940879924006346_nO ex-presidente Lula determinou ao PT que desse um jeito e abrisse uma vaga na Câmara dos Deputados para que Wadih Damous, ex-presidente da OAB carioca, assumisse um mandato político.

Damous era o primeiro suplente do PT do Rio de Janeiro e já substituiu o deputado Fabiano Horta.

Que sacanagem é essa que se faz com o eleitor? Eles votaram em Fabiano Horta, que teve mais de 37 mil votos.

São 37 mil sacaneados por LULA e pelo PT.

Mas, diante da vontade do todo poderoso Luiz Inácio, vulgo lula, a decisão do eleitor nada vale. Horta teve que assumir a pasta carioca de desenvolvimento solidário, que é  quase nula em relação a obtenção de capital político. Embora tenha reclamado, abaixou a cabeça e obedeceu. Afinal, quem no PT tem coragem de desafiar LULA?

Lula vê em Damous uma disposição de defender o governo sem medo, algo que, na avaliação dele, não existe na bancada petista atual.  A principio a idéia era retirar Benedita, dando-lhe algum cargo no governo carioca.

Pouco antes de assumir DAMOUS disse: “Continuarei a empunhar as bandeiras de sempre: defesa da ordem jurídica do Estado de Direito, dos direitos dos advogados, do Estado laico, dos direitos humanos. Combaterei iniciativas legislativas que configuram retrocesso do processo civilizatório e democrático tais como redução da maioridade penal e a terceirização das relações de trabalho”.

Todos se lembram da atuação espetaculosa de DAMOUS na época da comissão da verdade. Como presidente da OAB quase todos os dias ele estava na mídia. Deu certo, chegou ao Congresso Nacional, e o que é melhor – pra ele é claro – debaixo do apadrinhamento de LULA.

Quem sabe no futuro seja mais um MINISTRO no STF?


Damous assumiu o mandato em 19 de maio.

domingo, 24 de maio de 2015

Oposição protocolará representação na PGR contra Dilma



Líderes da oposição vão apresentar na próxima semana uma representação na Procuradoria-geral da República por prática de crime comum cometida pela presidente Dilma Rousseff. O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), afirmou que a decisão mostra a unidade dos partidos de oposição e a capacidade para conduzir o processo político de forma a atender as expectativas do povo brasileiro.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira (21/5) após reunião com líderes oposicionistas. A ação terá como base o crime das “pedaladas fiscais”, atestado em relatório do Tribunal de Contas da União (TCU).

Vetar transparência no BNDES por “competitividade” é mais uma pérola do PT, afirma Caiado


bndes_01
Telhado de vidro – Líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO) ironizou a justificativa da presidente Dilma Rousseff para vetar emenda à MP 661/14 que determinava o fim do sigilo em todas as operações do BNDES. De acordo como o senador, o argumento de que a emenda “prejudicaria a competitividade das empresas brasileiras” é uma mais uma pérola petista contra o bom senso.

“Quer dizer que quanto mais nebuloso o funcionamento de uma empresa, mais competitiva ela se torna? Que a transparência é inimiga da boa gestão? Que uma empresa quando precisa abrir seu capital para entrar na bolsa está se tornando mais frágil? É claro que não. É só mais uma máxima petista que comprova que o PT gosta de caminhar no submundo das negociatas”, acusou.

O democrata afirmou que já esperava o veto da presidente que tem atuado fortemente para atrapalhar qualquer ação para investigar o banco, assim como a CPI do BNDES já protocolada e à espera da leitura pelo presidente do Senado.

“Esse veto tem tudo a ver com o que nós estamos denunciando, ou seja, é uma maneira clara do governo e da presidente não deixarem com que tenhamos informações sobre a aplicação do dinheiro da população por intermédio do BNDES. Já está mais do que claro que as operações do banco têm buscado interesses partidários e ideológicos”, explicou.

CPI do BNDES

Ronaldo Caiado reforça que apesar de toda a atuação do governo na tentativa de barrar o andamento da CPI do BNDES no Senado, o requerimento que conta com 27 assinaturas já está protocolado à espera apenas de leitura e instalação da comissão.


“O BNDES é hoje a principal ferramenta do modelo petista de perpetuação no poder através do desvio de dinheiro público. E suas operações internacionais mostram que o esquema não se limita às fronteiras do Brasil. Hoje estamos financiando os tiranetes amigos de Lula e do Foro de São Paulo. E é por isso que precisamos de uma CPI no Senado que se mantenha afastada da influência do Executivo”, afirmou.

Suposto pagamento de multas do Mensalão por lobista da Lava Jato pode levar Dirceu de volta à cadeia

 
Lobistas de Brasília já dão como favas contadas que a 13° fase da Lava Jato poderá deixar, como maior medida de impacto, o retorno à prisão, em regime fechado, do consultor de empresas José Dirceu de Oliveira e Silva. A crença foi fortalecida pela prisão, ontem, do operador Milton Pascovitch, que pagava propinas em nome da Engevix. A maior suspeita, ainda não confirmada, é que os recursos movimentados pelo lobista tenham sido usados até para pagar as multas de Dirceu no processo do Mensalão. Dirceu cumpre prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica. A delação premiada de Ricardo Pessoa, da UTC, pode complicar ainda mais a delicada situação da cúpula petista.

A Força Tarefa do Ministério Público Federal denunciou que Pascovitch pagou, por meio de sua empresa, a Jamp Engenheiros Associados Ltda, R$ 1,45 milhão à JD Consultoria, de José Dirceu. Os pagamentos a Dirceu foram realizados em 2011 (R$ 300 mil) e em 2012 (R$ 1,1 milhão). No despacho da prisão dele, o juiz Sérgio Moro estranhou: " Causa certa surpresa que, deste valor, R$ 1,157 milhão tenham sido pagos durante o ano de 2012, em meio ao julgamento do mensalão, o que coloca em dúvida se poderiam ter por causa prestação de serviços de consultoria". Dirceu nega qualquer envolvimento com as falcatruas da Lava Jato...

Pascowitch é considerado na investigação como um dos 11 operadores de propinas que atuavam na Diretoria de Serviços da Petrobras, comandada na época pelo engenheiro Renato Duque. O empresário prestava serviços à Ecovix, empresa de engenharia consultiva e gerenciamento de obras nas áreas de indústria naval e offshore. Em depoimento prestado em março, o empresário Gerson Almada, da Engevix, declarou que, a pedido de Pascowitch, repassou dinheiro para o PT, “para Vaccari” (João Vaccari Neto, então tesoureiro do PT, que está preso em Curitiba).

Planilha do Barusco


"Part", nesta planilha de pagamento de propinas feitas pelo Pedro Barusco, significa: Partido dos Trabalhadores

Obras do Cramulhão


Será que o Coisa Ruim admite concorrência lá no inferno?

Haja reparação


Da jornalista Christina Fontenelle, no Facebook, sobre mais uma polêmica inútil acerca do desarmamento, em função das mortes violentas que ganham espaço midiático no Rio de Janeiro:

"Gostaria muito de ser capaz de compreender a débil mentalidade. Mas, não consigo. O que vem a ser exatamente uma arma 'branca' para essa gente? Uma faca? Um canivete? E eu pergunto: barra de ferro, pedaço de pau, viga de construção, garrafa com solvente e fósforo - tudo isso também não pode matar? O que essa gente tem na cabeça? Quando alguém quer acabar com a vida de outra pessoa, o fará seja com o que lhe parecer mais prático, mais à mão. Tem é que punir severamente quem tirar a vida de outra pessoa por outro motivo que não seja a legítima defesa da própria vida ou da terceiros sob severa ameaça! Punição severa! Punição pelo crime cometido e não de acordo com a idade de quem o tenha cometido! E tem mais: o desarmamento de armas de fogo da população de bem (porque os criminosos continuaram, é claro, bem armados) provou ser (o que muitos de nós já sabíamos) um mecanismo de extermínio e de atemorização desta mesma população! As coisas SÓ PIORARAM! Cada vítima deveria EXIGIR reparação financeira 'astronômica' do estado! Chega!".

Ou seja: não demora os defensores dos direitos dos manos vão decretar que a culpa dos crimes é das facas ou das bicicletas, o que poderia gerar belas campanhas: do "Desfacamento" ou do "Desbiciclamento"...

Contra o assédio ideológico

Já está em tramitação na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei (PL) 1411/2015, que criminaliza o assédio ideológico no ensino do País.

O autor é deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), coordenador da bancada tucana na Comissão de Educação da Câmara, que acusa o PT de utilizar tal prática para promover seu projeto de poder:

“O PT vê o ensino como mero meio de propagar a ideologia do partido e não como o meio, por excelência, de qualificar os brasileiros. Precisamos de uma Educação livre, sem doutrinação, que promova a autonomia das pessoas, desenvolva talentos e qualifique profissionalmente os jovens”.

Punição severa

Se for aprovado, o projeto transformará em crime toda prática que condicione o estudante brasileiro a adotar determinado posicionamento político, partidário, ideológico ou qualquer tipo de constrangimento causado por outrem ao aluno por adotar posicionamento diverso do seu, independente de quem seja o agente.

Com a Lei, expor o estudante ao assédio ideológico, condicionando o aluno a adotar determinado posicionamento político, partidário, ideológico ou constrangê-lo por adotar posicionamento diverso do seu, independente de quem seja o agente, implicará em pena de detenção de três meses a um ano e multa.

Se o agente for professor, coordenador, educador, orientador educacional, psicólogo escolar, ou praticar o crime no âmbito de estabelecimento de ensino, público ou privado, a pena poderá ser aumentada em 1/3.

PEC Reeleitoreira?


Bin Laden Pornográfico

Brian Hale, porta-voz da Direção de Inteligência Nacional, informou que os EUA decidiram não tornar pública a coleção de pornografia encontrada no esconderijo de Osama bin Laden:

"Não temos planos de divulgar este material. De acordo com a natureza deste conteúdo, a decisão foi de mantê-lo em sigilo".

Quando Bin Laden foi morto, em 2011, revelou-se pouco tempo depois que ele mantinha uma “grande coleção” de material pornográfico em computadores, embora o esconderijo paquistanês não tivesse acesso à internet.

Erro sexual Petralha?

Um Homem norte-americano causou polêmica na rede social Reddit ao revelar que teve relação íntima com a irmã gêmea de sua esposa acidentalmente, enquanto os três passavam férias em Las Vegas.

O malandro alegou que o erro aconteceu depois de ficar embriagado, e comentou que percebeu seu engano ao notar seios mais arredondados na suposta esposa.

O gênio foi flagrado com a cunhada pela ex-mulher que, ao acender a luz do quarto, decretou o divórcio em função da traição familiar.

Tudo indica que seja algum petralha que também se enganou ao receber uns milhões dos esquemas da Lava Jato, pensando que o dinheiro não fosse roubado dos cofres públicos...

Quebra tudo

Ministros do STF não farão nova sabatina

Por Reinaldo Azevedo


sábado, 23 de maio de 2015

R$ 69 Bilhões de corte no Orçamento

Por Reinaldo Azevedo


E você? Já pagou para ser esfaqueado hoje?


O encosto facebookiano


Onde reina a dissipação mental, asnos pontificam — não raro com ar afetado de circunspecção, indigerível para qualquer pessoa com dois dedos de miolos e um pouco de bom senso. Assim é o Facebook: com volúpia opiniática imparável, verdadeiras cavalgaduras desembestam certezas sobre os mais variados assuntos, com o entusiasmo insano de quem atirasse blocos de granito à cabeça de inimigos imaginários. Não conseguem apresentar os seus argumentos sem denegrir outras pessoas, e aqui se vê a nota distintiva do caráter desses indivíduos audazes: se ninguém os lisonjeia, eles próprios encarregam-se de fazê-lo, sem qualquer sinal detectável de pudor.

Por trás do teclado dos computadores de onde reinventam a roda e o mundo, são Hércules invencíveis pessoalmente, costumam ser libélulas a esvoaçar tímidas em torno do próprio ego. A distância, atroam de perto, esganiçam. Começam por fazer alusões maldosas em postagens enigmáticas, depois passam à detração enviesada, até que, flagrados em delito de inveja ou de ódio, são impelidos a mostrar o estado tétrico de suas almas.

Quando porém se trata de julgar moralmente as atitudes alheias, sob a proteção reconfortante proporcionada pelo evanescente universo virtual, essas libélulas tornam-se carniceiras, agem como urubus esfomeados. Julgam-se no direito de cobrar condutas de pessoas cujas motivações nem de longe vislumbram. Trombeteiam juízos definitivos que, de alguma maneira, mancham a honra alheia, o que pouco se lhes dá a reputação do próximo é um conceito abstrato inalcançável para quem chafurdar transformou-se em ofício.

O Facebook é hoje a tribuna das susceptibilidades eriçadas, dos ataques enraivecidos, do desnudamento involuntário de vaidades letais, do entretenimento de sádicos e psicóticos, da incivilidade ostentada como coragem.

Quem nele entra para ver e fazer coisas boas, aprenda a ser seletivo e tenha cuidado: a péssima companhia virtual tem o condão de se fazer virtualmente onipresente.

Em tais casos, não tem pé-de-pato-mangalô-três-vezes que dê jeito.

Só Deus pode afastar o encosto!



_____________
Sidney Silveira é professor e edita o blog Contra Impugnantes.

RICARDO PESSOA: O Pesadelo de LULA

Por Reinaldo Azevedo


Manter caixa-preta do BNDES só aumenta descrédito

Por José Nêumanne Pinto


Dilma se reúne com Lula antes de anúncio de corte no Orçamento; encontro não consta da agenda


dilma_lula_01Tomando a bênção – Dilma Rousseff reúne-se nesta sexta-feira (22) com o ex-presidente Luiz Inácio da Silva, o lobista Lula, na Granja do Torto, em Brasília. O encontro, que não consta da agenda oficial da presidente, acontece a poucas horas do anúncio oficial do corte no Orçamento de 2015. Também participaram da reunião os ministros Aloizio Mercadante, da Casa Civil, e Edinho Silva, da Secretaria de Comunicação Social.

O contingenciamento orçamentário a ser anunciado nesta tarde pelos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, será da ordem de R$ 70 bilhões e deverá atingir até mesmo programas sociais do governo, como o programa “Minha Casa, Minha Vida”.

É importante ressaltar que o governo definirá o corte orçamentário “às cegas”, sem conseguir aprovar na Câmara dos Deputados o projeto de lei da desoneração da folha de pagamento nem garantir o aval do Senado Federal às medidas provisórias que alteram benefícios trabalhistas e previdenciários.

Joaquim Levy está preocupado com as desconfigurações no projeto de lei que revê a política de desoneração da folha. Segundo relatos obtidos pela reportagem, Levy já avisou que “se essa rocha for perfurada” há risco de o País perder o grau de investimento.

Entre o que a presidente da República prometeu durante a corrida presidencial de 2014 e o que propõe o ministro Joaquim Levy há uma enorme e abissal distância, o que configura estelionato eleitoral por parte de Dilma. No Congresso Nacional os petistas insistem em dizer que a oposição busca um terceiro turno ao fazer críticas severas e ácidas ao desgoverno do PT, mas não há como fugir da realidade. Dilma mentiu de forma escandalosa ao eleitorado incauto e não se discute mais o assunto.

A grande questão em relação ao corte no Orçamento é que, deixando de lado as promessas fantasiosas de Dilma, a economia brasileira tende a naufragar no oceano da crise, uma vez que especialistas garantem que o pior ainda está por vir. Alguns especialistas do mercado financeiro afirmaram ao UCHO.INFO que a partir do segundo semestre a situação deve piorar sobremaneira, principalmente porque o governo federal não conseguirá atingir a meta fiscal de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB).

O gigantesco custo social dos cortes de Dilma



A história mostra que há outras formas de fazer o país voltar a crescer sem arrochar salários, aumentar impostos, cortar direitos dos trabalhadores e criar recessão. O colunista de VEJA Marco Antonio Villa alerta: "Essa é a pior recessão do século". Assista ao 'Aqui Entre Nós' com Joice Hasselmann, que traz ainda dicas de gastronomia com muito bom humor

PETISTA sabotando o governo Dilma


sexta-feira, 22 de maio de 2015

Dá-lhe corrupção: nem o pré-sal escapa do Petrolão



Dia agitado envolvendo o petrolão: Operação Lava-Jato descobre indícios de corrupção no pré-sal, CPI da Petrobras e amigão de José Dirceu na cadeia. Enquanto isso, o dia da liberdade de impostos mostra em 19 cidades o quanto o brasileiro é assaltado pelos governos.

ALERTA AOS PAIS


Duvido que algum pai, ao matricular o filho numa escola, fique na expectativa de que lhe sejam enfiadas na cabeça as ideias políticas que seus professores tenham. Os pais esperam exatamente o oposto. Esperam que os professores não façam isso porque reservam tal tarefa para si mesmos, segundo os valores e a cultura familiar. Quando um professor, o sujeito no quadro negro, o cara de cima do estrado, que corrige prova e dá nota, usa a autoridade e os poderes de que está revestido, para fazer a cabeça de crianças e jovens, exerce sua profissão de modo abusivo. Figurativamente, pratica estupro de mentes juvenis. Se o professor quer fazer proselitismo político, se anseia por cooptar militantes para sua visão de mundo, de sociedade, de economia, de política, de história, que vá procurar um vizinho, um colega, um superior. Figurativamente, que deixe de ser abusador e vá enfrentar alguém de seu tamanho intelectual.

Volto a este assunto porque, aqui no Rio Grande do Sul, o Sinepe/RS, sindicato patronal das escolas particulares, convidou o Dr. Miguel Nagib, coordenador do movimento Escola sem Partido, para uma palestra aos diretores de escolas. Ótimo, não é mesmo? Sim, ótimo para todos os alunos e pais, mas não para o sindicato dos professores das escolas particulares, o Sinpro/RS. Em assembleia geral, o sindicato emitiu Moção de Repúdio ao evento, em veemente defesa do direito dos professores de influenciarem politicamente seus alunos. No texto (que pode ser lido em aqui), os docentes afirmam que "retirar da Educação a função política é privá-la de sua essência" para colocá-la a serviço "da ideologia liberal conservadora" à qual os mestres de nossos filhos atribuem todas as perversidades humanas, das pragas do Egito ao terremoto do Nepal, passando por Caim e Jack o Estripador.

Não é por acaso que nosso sistema de ensino se tornou um dos piores do mundo civilizado. Afinal, sua essência é ser campo de treinamento de militantes para os partidos de esquerda. Os dirigentes do sindicato dos professores do ensino particular (e não pensam diferente as lideranças dos professores do ensino público) estão convencidos de serem detentores não do dever de ensinar, mas do direito de doutrinar! E creem que essa vocação política, superior a todas as demais, "essencial à Educação", encontra na sala de aula o espaço natural para seu exercício. Se lhes for suprimida essa tarefa "missionária" e lhes demandarem apenas o ensino da matéria que lhes é atribuída, esses professores entrarão em pane, talvez porque seja isso o que não sabem fazer.

Espero que tão destapada confissão de culpa emitida pelo Sinpro/RS sirva de alerta aos pais e à direção das escolas. Os pais pagam para que seus filhos recebam os conteúdos pedagógicos do estabelecimento de ensino escolhido. Entregar junto com isso, ao preço de coisa boa, mercadoria ideológica estragada, vencida, não solicitada e sem valor comercial, é fraude.



____________________
Percival Puggina (70), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, integrante do grupo Pensar.

Viver é arriscado...
As causas e os motivos da criminalidade



Joseval Peixoto faz uma reflexão acerca da violência em cima da coluna publicada na Folha de S. Paulo, nesta quinta-feira (21), de autoria de Contardo Caligaris.


Lobista ligado a Zé Dirceu pagou propina mesmo após a Lava Jato


Milton Pascowitch é preso pela PF
Milton Pascowitch é preso pela PF
(Luiz Carlos Murauskas/Folhapress)
O empresário Milton Pascowich, preso na 13ª fase da Operação Lava Jato, enviou dinheiro para o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque mesmo após o início das investigações do petrolão no ano passado. O pagamento de propina foi camuflado como prestação de serviços entre as empresas Jamp, de Pascowich, e D3TM, de Duque. Houve também a compra de obras de arte, a preços que chegaram a 400.000 reais, como complemento ao pagamento de propina ao ex-diretor da estatal.

Ligado ao ex-ministro mensaleiro José Dirceu, Pascowich já era investigado pelo Ministério Público por indícios de que a empresa de fachada Jamp era usada para lavar dinheiro do escândalo do petrolão.
Na 11ª fase da Lava Jato, os investigadores chegaram a pedir a prisão de Pascowich, mas o juiz Sergio Moro negou por avaliar, na época, que os indícios de participação do operador estavam baseados principalmente na delação do ex-gerente de Serviços Pedro Barusco.

Desta vez, no entanto, foi possível mapear que Milton Pascowich continuava praticando os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. "A Jamp prestava serviços para a Engevix, um serviço de monitoramento. Milton alegava que prestava serviços genéricos para a D3TM [de Renato Duque] e realmente não existe prestação de serviços", disse o procurador Carlos Fernando Lima, da força tarefa do Ministério Público. "Temos a reiteração criminosa e não temos duvida de que isso será objeto de uma ação penal próxima. Temos claramente a ideia de que vai ser feita uma denúncia sobre os fatos. Houve reiteração de corrupção ativa mesmo depois da Lava Jato", completou ele.

Renato Duque, que está preso em Curitiba, guardava o dinheiro de propina no exterior. Nas contas da D3TM Consultoria e Participações, foram encontrados cerca de 140.000 reais. Os maiores valores, porém, foram detectados nas contas da Hawk Eyes Administração de Bens (6,5 milhões de reais) e da Technis Planejamento e Gestão em Negócios (2 milhões de reais).

Dirceu - Em depoimento ao juiz Sergio Moro, o vice-presidente da Engevix Gerson Almada havia relatado que o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu fazia "lobby internacional" em nome da empreiteira e que Milton Pascowitch atuava como mediador das "relações partidárias" da empresa. A Engevix pagou mais de 1 milhão de reais à JD Consultoria. De acordo com Almada, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, preso na fase anterior da Operação Lava Jato, e o próprio Pascowitch pediram que a empresa fizesse doações a petistas.

Como Milton Pascowich é ligado ao ex-ministro José Dirceu, o Ministério Público e a Polícia Federal continuam investigando a atuação do petista no escândalo do petrolão. "Existe este fato, das consultorias supostamente prestadas, que está sob investigação de Dirceu. Gerson Almada confirma que contratou o Pascowich para fazer lobby na diretoria de Serviços da Petrobras e perante a diretoria de Serviços e o PT", disse o procurador Carlos Fernando Lima. "O que eles chamam de lobby a gente chama de corrupção", resumiu hoje o procurador Carlos Fernando. ​completou o representante do MP.
Ao cumprir mandados de busca e apreensão na manhã desta quinta-feira, policiais federais encontraram 60 obras de arte, sendo 40 na casa do irmão de Pascowich, José Adolfo. Ele prestou depoimento e foi liberado. Foram apreendidos três carros de Milton Pascowich - um Audi, uma Land Rover Evoque e uma BMW.

O operador Henry Hoyer, cistado como sucessor do doleiro Alberto Youssef no esquema de propina do PP na Petrobras, prestou esclarecimentos aos policiais nesta quinta-feira, mas acabou preso porque a Polícia Federal encontrou na casa dele três armas sem registro e munição de uso restrito.

Hoyer é peça-chave na nova fase da Operação Lava Jato porque é mais um personagem ligado a políticos que podem ter sido beneficiados pelo propinoduto na Petrobras. Ele foi alvo de mandado de busca e apreensão em dois imóveis. Para garantir que não houvesse questionamentos sobre esta fase das investigações, nem o MP nem a Polícia Federal utilizaram como embasamento para o mandado o fato de o operador ser apontado como titular de contas bancárias no HSBC da Suíça, alvo do escândalo conhecido como Swissleaks. "Não descartamos nenhuma das hipóteses de que ele tenha ou não contas no exterior. Mas não usamos nesse momento nenhum dado do HSBC para evitar questionamentos sobre legalidade das investigações", disse o procurador.